Hoje é

sexta-feira, 4 de março de 2011

CAICÓ - RN

DATAS E NOTAS PARA A HISTÓRIA
DO MUNICÍPIO DE CAICÓ - RN

José Ozildo dos Santos

 
MARÇO

01-03-1942
Era criado o Ginásio Diocesano Seridoense (mais tarde Colégio Diocesano Seridoense), por iniciativa de dom José Delgado de Medeiros, primeiro bispo da Diocese de Caicó. A primeira diretoria do referido estabelecimento de ensino foi assim constituída: monsenhor Walfredo Gurgel (diretor); padre Manoel Dantas (vice-diretor); padre Mário Damasceno (secretário); padre Milton Medeiros (diretor espiritual) e Jorfe Ariston (inspetor federal). Por muito tempo, o Diocesano foi o único colégio masculino do Seridó. Atualmente, o Colégio Diocesano Seridoense é dirigido pelo monsenhor Ausônio Tércio de Araújo.

Ginásio Diocesano Seridoense

01-03-1958
Nesta data, o tenente-coronel Alfredo Correia Lima assumiu o comando do 1° Batalhão de Engenharia de Construção, sediado em Caicó. Permaneceu no exercício do referido cargo até 1º de novembro de 1958.

01-03-1961
Instalação da Escola Técnica de Comércio de Caicó.

01-03-1964
Instalação do Colégio Diocesano Seridoense, em Caicó.

03-03-1886
De acordo com mapa informativo divulgado pelo comando da Companhia de Polícia da Província do Rio Grande do Norte, divulgado nesta data, o efetivo de militar da cidade do Príncipe era formado por 8 praças, sendo 7 soldados e 1 cabo de esquadra.

03-03-1889
Falece no sítio Saquinho, município de Caicó, o major José Batista dos Santos - o Major Lula - como era popularmente conhecido. Ex-deputado provincial e presidente da Intendência de Caicó, era considerado uma das maiores fortalezas morais do Seridó. A ele, deve a fundação do povoado, núcleo inicial da atual cidade de Timbaúba dos Batistas, cuja denominação é uma referência àquele patriarca.

03-03-1926
A Coluna Prestes atingia a fronteira do Rio Grande do Norte e percorria setenta e dois quilômetros estado a dentro.

04-03-1859
Nesta data, deu entrada nos trabalhos da Assembléia Legislativa Provincial uma petição pela qual, os moradores de Jardim de Piranhas solicitavam a criação de uma Freguesia para aquela povoação. Por requerimento do deputado Francisco Xavier Pereira de Brito, esse documento foi encaminhado às Comissões de Estatística, Negócios Eclesiásticos e de Justiça. E, embora tenha tido parecer favorável daquelas Comissões foi inexplicavelmente arquivado.

06-03-1858
Nasce em Caicó, Olegário Gonçalves de Medeiros Vale. Advogado provisionado, jornalista da melhor escol, considerado a ‘alma’ do jornal primeiro jornal caicó (O Povo), ocupou vários cargos na administração pública.

06-03-1954
Sob a direção do monsenhor Walfredo Gurgel, começou a circular em Caicó ‘A Folha’, semanário noticioso informativo, impresso na tipografia da Escola Pré-vocacional. Redigido por Genival Medeiros e Levi Dantas, o referido periódico circulou até 1964. Entre seus colaboradores figuram José Lucas de Barros, Jofre Ariston de Araújo, João Diniz Filho, monsenhor Walfredo Gurgel e outros.

07-03-1699
Em carta dirigida ao rei de Portugal, informava Francisco dos Santos Rocha, da casa-forte do Cuó, que “dom João de Lencastro, vice-rei do Brasil, havia concedido indulgências para a Capela da Senhora Santana do Acauã, através dos missionários de Olinda”. Na referida carta, Francisco dos Santos Rocha solicitou que na mencionada capela pudessem ser celebrados batizados e “atos da religião pelos curas do Piancó dignados a entrar-se nos sertões”.

07-03-1772
Foi aprovada por dom José I, rei de Portugal, a constituição da Irmandade do Rosário dos Homens de Cor de Caicó. O primeiro capítulo rezava que “servirão nesta Irmandade todos os homens e mulheres pretos, moradores desta Freguesia da Senhora Sancta Anna, quer sejam forros, quer captivos e pagarão cada hum de sua entrada duas patacas e de annual uma pataca”.

07-03-1926.
Sobre o desenvolvimento presenciado na cidade, o Jornal das Moças em edição desta data, publicou que: “Caicó não é mais a velha cidade sertaneja de outrora, que não tinha nem luz, nem vida noturna, nem cinema (...). A nossa querida ‘Urbe’ se transformou por completo, de alguns anos para cá. Iluminou-se, criou – por assim dizer – alma nova: fez jus ao título invejável de Capital do Seridó”.

07-03-1967
O monsenhor Walfredo Gurgel viaja à cidade de Paulo Afonso, para assistir a inauguração da sétima unidade geradora da CHESF. Na oportunidade, o Palácio do Governo, fez publicar a seguinte nota: “Atendendo a convite do Presidente Castelo Branco, o Mons. Walfredo viajou sábado último, pela manhã, a Paulo Afonso, para assistir à inauguração da sétima unidade geradora da CHESF. O Chefe do Executivo seguiu diretamente de Caicó, viajando em companhia de seu ajudante de ordens, Ten. Benedito Queiroz, tendo desembarcado ao meio-dia, participando de almoço oferecido pelo Dr. Apolônio Sales, no Clube Hidrelétrica. Às 14:40 h, o Mons. Walfredo foi instado pelo Marechal Castelo Branco a ministrar a bênção litúrgica às novas instalações por ele inauguradas. Logo depois, juntamente com os demais governadores presentes, o Governador potiguar participou de reunião com o Chefe da Nação, na residência do Dr. Apolônio Sales, quando foram debatidos problemas gerais do Nordeste”.

07-03-1979
Nesta data, o coronel José Henrique Cunha Jardim assumiu o comando do 1° Batalhão de Engenharia de Construção, sediado em Caicó. Permaneceu no exercício do referido cargo até 27 de janeiro de 1983.

08-03-1688
O Governador-Geral do Brasil, Matias da Cunha, determinou que o capitão-mor Domingos Jorge Velho, acudisse à Capitania do Rio Grande, onde deveria dar combate aos bárbaros tapuias, face ao insucesso do coronel Antônio de Albuquerque da Câmara, garantindo a ele e seus comandados, “todas as glorias de degollarem os barbaros, mais a utilidade dos que prizionarem”.

08-03-1793
Falece na povoação de Serra Negra, município da antiga Vila Nova do Príncipe, o padre João Pereira Monteiro Sarmento, aos sessenta anos de idade incompletos. Filho do patriarca Manoel Pereira Monteiro (fundador de Serra Negra) e de dona Teresa Tavares de Jesus, reza a tradição que o referido sacerdote teria ficado louco no final de sua vida. Um de seus irmãos, o padre Fernando Pereira Monteiro também findou a vida isolado numa fazenda de sua propriedade, nas proximidades da atual cidade de Serra Negra.

08-03-1940
Dom Marcolino Esmeraldo de Souza Dantas recebe do Vaticano a bula E. Diocesibus, criando a Diocese de Caicó. A notícia foi dada ao povo caicoense pelo padre Walfredo Dantas Gurgel, vigário da Matriz de Santana.

08-03-1951
Ocorre a fundação do ‘Circulo de Trabalhadores Cristão’, sob a iniciativa de dom José de Medeiros Delgado, primeiro bispo de Caicó.                                                   

09-03-1889
Circulou o primeiro número d‘O Povo’, primeiro jornal editado na cidade de Caicó, sob a direção de Olegário Vale e Diógenes da Nóbrega. De tiragem semanal, pertencia ao Sr. José Renaud e tinha o seu escritório num sobrado, à Praça do Mercado, nº 02, atualmente denominada Praça Dinarte Mariz.

09-03-1889
Foi nomeado para ocupar o cargo de promotor público da comarca de Caicó, o Dr. Ananias Paranhos de Araújo. E, por ato desta mesma data, o Dr. José Ferreira Muniz, que ocupava a referida promotoria, foi removido para Imperatriz, onde passou a exercer suas funções.

09-03-1932
Falece o talentoso poeta popular caicoense Moysés Sesyon.

09-03-1959
O Batalhão de Engenharia de Construção, iniciou os trabalhos de ampliação do ‘Aeroporto Rui Mariz’, de Caicó.

09-03-1968
É exonerado do cargo de delegado de polícia de Caicó, o capitão Otaviano de Souza, num momento em que a cidade viva um clima de terror com o chamado Sindicato da Morte, que nela havia sido instalado.

09-03-1974
Ocorreu a instalação do Núcleo Avançado da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em Caicó, oportunidade em que realizada a aula inaugural com a presença do magnífico reitor Genário Alves Fonseca.

09-03-1988
Falece no Recife, onde residia como arcebispo emérito de Fortaleza, dom José de Medeiros Delgado, primeiro bispo da Diocese de Caicó. Seu corpo, transladado para a cidade de Caicó, foi sepultado no interior da Matriz de São José, antiga capela do Seminário Diocesano Santo Cura D’Ars, por ele construído.

Dom José de Medeiros Delgado

10-03-1889
O caicoense Joaquim Ciriaco de Araújo, que ocupava o cargo de sub-delegado da povoação de S. Fernando, decepcionado com os rumos da política nacional e com o regime vigente, pediu demissão de suas funções e declarou-se ser republicano.

11-03-1859
Era nomeado o primeiro promotor de justiça para a comarca de Caicó, o senhor Targino Gomes Pereira.

11-03-1873
Nasce o caicoense Joaquim Apolinar Fernandes de Medeiros, filho do coronel José Bernardo de Medeiros (futuro senador da República) e de sua esposa Paulina Engrácia Fernandes.  Fez seus estudos superiores no Rio de Janeiro, onde diplomou-se em engenharia e exerceu vários cargos públicos, entre eles, o de administrador da Floresta da Tijuca. Casado com a Isolina Paladini, faleceu no Rio de Janeiro em 12 de novembro de 1936, aos 63 anos.

11-03-1868
Pela Lei Provincial nº 606, era criado o distrito de paz da povoação de São João do Príncipe’, no antigo município de Caicó. A referida povoação foi o núcleo inicial da atual cidade de São João do Sabugi.

11-03-1964
Era fundado o Itans Iate Clube, na cidade de Caicó.

11-03-1970
Nesta data, o coronel José Pinto dos Reis assumiu o comando do 1° Batalhão de Engenharia de Construção, sediado em Caicó. Permaneceu no exercício do referido cargo até 20 de fevereiro de 1973.

13-03-1835
Por força da lei Provincial nº 15, era criada a Freguesia de Nossa Senhora da Guia, sediada na povoação do Acari. Desmembrada da antiga Matriz de Nossa Santana do Caicó, aquela sede paroquial teve início com uma capela construída em 1738 e seu primeiro vigário foi o padre Tomás de Araújo Pereira. Atualmente, a Paróquia de Acari, integra a Diocese de Caicó.

14-03-1688
Matias da Cunha, Governador Geral do Brasil, em carta coronel  Antônio de Albuquerque de Câmara, que combatia os tapuias no Sertão do Seridó e no Vale do Açu, recomendava o seguinte tratamento as tapuias: “Vossa Mercê o degolle, e siga até ultimamente o destruir, dando-lhe tal castigo que fique na memória das mais nações e em todas o medo das armas de Sua Magestade”.

14-03-1883
O caicoense Amaro Cavalcanti, que nesta data residia no Rio de Janeiro, foi designado pelo Ministro do Império para reger uma turma de Latim do 2º ano do externato do Colégio Pedro II.

15-03-1859
Era removido o Dr. José Quintino Leão, primeiro juiz de Direito da Comarca de Caicó.

15-03-1889
A Câmara Municipal de Caicó, após se reunir ordinariamente, deliberou comunicar ao excelentíssimo senhor presidente da Província, o Dr. José Marcelino da Rosa e Silva, as condições de vida e as dificuldades enfrentadas pelo povo seridoense, durante a estiagem pela qual passava a região.

15-03-1933
Circulou o primeiro número d‘A Verdade’, periódico mensal, religioso e literário, fundado pelo padre Luiz Teixeira de Araújo, vigário da Paróquia de Nossa Senhora Santana. Seu último número, o 18, é datado de 26 de agosto de 1934.

15-03-1896
Falece em Caicó, Francisco Antônio de Medeiros, o Chico Antônio do Umari. Natural de Patos-PB, tenente-coronel da antiga Guarda Nacional, foi figura de destaque nos meios políticos e sociais do Seridó. Em Caicó, foi vereador (1873) e delegado de polícia (1878) e ocupou a presidência da Intendência Municipal, no início do período republicano (1889-1891). Era casado com a senhora Ana Vieira Mimosa.

Francisco Antônio de Medeiros
15-03-1938
Circula na cidade de Caicó o primeiro número do jornal ‘A Visão’.

15-03-1941
Era nomeado o primeiro bispo da Diocese de Caicó: dom José de Medeiros Delgado. À época, aquele levita regia a Matriz de Campina Grande-PB, e, elevado ao episcopado sua sagração ocorreu aos 29 de junho seguinte. Sua posse na Diocese de Caicó, deu-se no dia 26 de julho de 1941, em solenidade bastante prestigiada pela comunidade católica seridoense.

15-03-1954
Era instalado o Curso Normal, na cidade de Caicó.

15-03-1971
O monsenhor Walfredo Gurgel entrega o cargo de governador do Estado ao seu sucessor, o Dr. José Cortez Pereira, seridoense de Currais Novos.

16-03-1793
Falecia, aos oitenta e dois anos, na Fazenda Lajes, município de Caicó, o capitão Domingos Álvares dos Santos. Português de nascimento, chegou ao Seridó vindo do Ceará. Seu inventário foi processado em 1793, na antiga Vila Nova do Príncipe. Senhor e proprietário de vastas fazendas na região do Seridó e no Vale do Sabugi, casado com dona Joana Batista da Encarnação, foi o patriarca da Família Álvares (ou Alves) no Seridó.

16-03-1941
Nasce em Jucurutu-RN, João Medeiros Filho. Ordenado sacerdote aos 25 de agosto de 1965, regeu interinamente a Matriz de Nossa Senhora Santana, de Caicó, durante alguns meses, em 1966, substituindo o cônego João Agripino Dantas. Homem de vasta cultura, possui vários livros publicados.

Padre João Medeiros Filho
 
17-03-1832
Era ordenado sacerdote o caicoense Joaquim Félix de Medeiros, em solenidade realizada em Salvador-BA, presidida por dom Romualdo Antônio de Seixas, Arcebispo Primaz do Brasil. Retornando ao Rio Grande do Norte, fixou residência no antigo povoado de São João do Príncipe (atual cidade de São João do Sabugi). Coadjutor da Matriz de Serra Negra, o padre Joaquim Félix de Medeiros exerceu por muitos anos o magistério em São João do Sabugi. Entre seus ex-alunos, encontramos José Bernardo de Medeiros, antigo líder político do Seridó, eleito senador nos primeiros anos da Republica, pelo Rio Grande do Norte. O padre Joaquim Félix de Medeiros - que deixou descendência no Seridó - faleceu em São João do Sabugi, no ano de 1870, aos 59 anos de idade.

17-03-1835
Diante dos problemas surgidos após a promulgação da Lei de 25 de outubro de 1831, que determinou a demarcação dos limites da antiga Vila Nova do Príncipe, a Assembléia Legislativa Provincial do Rio Grande do Norte, enviou à Assembléia Geral, a seguinte representação: “Augustos e Digníssimos Representantes da Nação. A Assembléia Legislativa Provincial do Rio Grande do Norte, vê-se constrangida na imperiosa necessidade de vir, na conformidade do art. 11, § 9, da lei das reformas, representar esta Augusta Assembléia Geral contra as pretensões da Província da Paraíba, que trabalha por destruir a lei de 25 de outubro de 1831. As representações juntas dos juízes de paz, guardas nacionais, e moradores do termo da Vila do Príncipe, e bem assim as da Vila de Acari, endereçadas à Assembléia Provincial pelas Câmaras respectivas, inastruídas de assinatura dos povos, vem ser presentes a esta Augusta Assembléia, a quem compete a decisão de negócio tão importante. A dita Lei, Augustos e Digníssimos Senhores, sanou os imensos males que sofriam os povos da Vila do Príncipe, que sendo desde a sua criação, em 31 de julho de 1788 pertencentes a esta Vila e Província do Rio Grande, principiaram a ser incomodados pela do Pombal da Província da Paraíba, em o ano de 1822, em conseqüência do Alvará de 18 de março de 1818, que a mesma Lei entendeu a favor do Rio Grande, tendo-se contentado e satisfeito ambas as Províncias, conservando-se em perfeita harmonia. Esta lei, pois, tão salutar, e operada com conhecimento de causa, ouvidos os Presidentes, Conselhos do Governo, autoridades e Povos de uma e outra Província, é hoje agredida pelo capricho de pessoas mal intencionadas, que se nutrem com a discórdia, e males de seus semelhantes. Um pouco de fermento basta para corromper uma grande porção de massa! No mais perfeito estado de sossego, e prazer, em que se achava a Província do Rio Grande, gozando pacificamente da posse do seu território, e bendizendo a Assembléia Geral pelos bens que com aquela lei lhe outorgou, eis que o gênio do mal inventa meios, e forma planos para transtornar, destruir e derrocar toda a Província. Um só homem, agasalhando-se ativamente em um ponto dos seus limites, é capaz de plantar a semente da discórdia e atear o incêndio. Empregando com habilidade as poderosas armas da sedução contra pessoas incautas, ele tem podido levar os males a toda a Província. O Rio Grande, pobre e pequeno, como é, decerto sucumbiria à força de tamanho combate, que lhe apresenta outra Província maior, mais rica e mais poderosa, e se não buscasse sua confiança na sabedoria e dignidade da Augusta Assembléia Geral Legislativa. Valendo-se, pois, a Assembléia Provincial de recurso que lhe franqueia a lei; vem pedir e representar....”.

17-03-1891
Foi demitida a Intendência Municipal da cidade de Caicó, da qual era presidente o tenente-coronel Francisco Antônio de Medeiros, sendo o mesmo substituído pelo major Salviano Batista de Araújo. O fato foi noticiado nas páginas do jornal ‘O Povo’, em sua edição de 12 de março de 1891.

18-03-1818
Nesta data, julgando necessário e tendo em vista “os graves prejuízos que ao seu serviço, ao interesse e segurança pública e à boa administração da justiça”, o El-Rei, através de alvará, criou a comarca do Rio Grande do Norte, que até então, era subordinado judicialmente à Capitania da Paraíba. Eis o referido alvará na íntegra:
Alvará de 18 de Março de 1818. Cria a nova comarca do Rio Grande do Norte, da Capitania do mesmo nome.
“Eu EI Rei faço saber aos que este Alvará virem, que tomando em consideração os graves prejuízos que ao meu real serviço, ao interesse e segurança pública e à boa administração da justiça, necessariamente resultam de se achar a Capitania do Rio Grande do Norte anexa à comarca da Paraíba por não ser pra­ticável que um só Ministro, a quem é sumamente custoso corrigir bem a comarca da Paraíba, pela sua grande extensão, tenha juntamente a seu cargo aquela Capitania, que também abrange um vasto e dilatado território, e possa fazer nela, nos competentes tempos e na forma devida, as correições tão necessárias para se manter pela influência saudável da autoridade e abrigo das leis, a segura fruição dos direitos pessoais e reais dos povos e querendo dar as providências próprias para que possam os habitantes da mesma Capitania gozar dos vantajosos proveitos de uma vigilante polícia e exata administração da justiça, evitando-se as desordens e perigosas conseqüências da impunidade dos crimes tão freqüentes em lugares administrados por juízes leigos, quando não são advertidos nas anuais correições:
Hei por bem determinar o seguinte:
1º. A Capitania do Rio Grande do Norte ficará desmembrada da Comarca da Paraíba e formará uma comarca separada, que sou servido criar com a denominação de comarca do Rio Grande do Norte, tendo por cabeça a cidade de Natal e os limi­tes que se acham assinados para a mesma Capitania.
2º. O Ouvidor que eu houver por bem nomear terá a mesma jurisdição que o da comarca da Paraíba e observará o mesmo regimento no seu distrito, guardando todas as mais leis, ordens e regimentos que são dados aos Ouvidores deste Reino do Brasil.
3º. Vencerá o mesmo ordenado, propinas e emolumentos que vence o Ouvidor da Paraíba; e na sua comarca lhe pertencerão os cargos e jurisdições que lhe costumam ser anexos na forma das minhas reais ordens.
4º - Para satisfazer plenamente as suas obrigações sou servido criar para este Ouvidor os Ofícios de Escrivão e Meirinho; e as pessoas que forem neles providas os servirão na forma das leis e regimentos que a este fim se acham estabelecidos, e ven­cerão os salários, caminhos e raza que percebem os da Comarca da Paraíba.
E este se cumprirá como nele se contém. Pelo que mando à Mesa do Desembargo do Paço e da Consciência e Ordens; Presidente do meu Real Erário; Conselho da minha Real Fazenda; Regedor da Casa da Suplicação; Governadores e Capitães Generais, Mi­nistros e mais pessoas, a quem pertencer o conhecimento deste Alvará, o cumpram e guardem não obstante qualquer decisão em contrário que hei derrogado por este efeito corrente: Valerá como carta passada pela Chancelaria, posto que por ela não há de passar, e que o seu efeito haja de durar mais de um ano, sem embargo da lei em contrário. Dado no Palácio da Real Fa­zenda da Santa Cruz em 18 de março de 1818,
Rei com guarda.
Tomás Antônio de Vila Nova Portugal.
Alvará pelo qual Vossa Majestade há por bem criada a nova comarca do Rio Grande do Norte, desmembrando-a da comarca da Paraíba tudo na forma acima declarada.
Pra Vossa Majestade ver. João Cordeiro de Campos o diz”.

18-03-1835
Pela Lei Provincial nº 16, desta data, foi aprovada a criação da Vila de Acari, ratificando ato do Conselho da Província, promulgado em 1833. O referido que foi instado a 24 de setembro de 1835, foi desmembrado da antiga Vila Nova do Príncipe.

18-03-1935
O padre Walfredo Dantas Gurgel (caicoense e futuro governador do Rio Grande do Norte), assume a regência da Matriz de Nossa Senhora da Guia, do Acari. No exercício daquelas funções permaneceu até o dia 02 de janeiro de 1936.

18-03-1968
Circula o primeiro número do jornal ‘O Arrebol’, órgão do Clube de Trovadores do Seridó. No referido número, lê-se um certame de trovas, sob o tema ‘A proibição de Vaquejadas’, com ligeiras críticas ao presidente Costa e Silva.

19-03-1898
O paulista Campos Sales, poucos dias depois de eleito Presidente da República, endereçou uma carta ao senador caicoense José Bernardo, na qual esboça claramente o seu pensamento político e o interesse de instituir a ‘política dos governadores’.

19-03-1919
Inauguração do Serviço Municipal de Telégrafo, na cidade de Caicó.

19-03-1930
Era fundado o Caicó Esporte Clube.

19-03-1942
Nasce em Caicó, José Mário de Medeiros. Ordenado sacerdote aos 8 de dezembro de 1970, regeu a Paróquia de Nossa Senhora dos Aflitos, de Jardim de Piranhas, no período de 1971 a 1982. Agraciado com o título de cônego, reside atualmente em Natal. Membro da Academia Norteriograndense de Letras, possui extensa e valiosa bibliografia. 

Cônego José Mário de Medeiros

20-03-1949
É expedida a carta constitutiva do Rotari Clube de Caicó.

20-03-1966
Nasce em Caicó, Maria de Fátima de Medeiros Faria Jácome Brito. Médica, com especialização em pediatria, formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Reside em Natal, onde exerce suas atividades profissionais.

21-03-1908
O jornalista e advogado caicoense Manoel Dantas profere sua famosa conferência Natal daqui a cinqüenta anos. Bastante elogiada pela imprensa da época, a referida conferência foi vendida em todos os estados da federação.

22-03-1890
E sua edição desta data, o jornal caicoense ‘O Povo’, noticiava que: “caiu anteontem, nesta cidade em copiosas torrentes uma chuva que durou ½ hora, acompanhada de uma grande tempestade, produzindo estragos no teto de alguns edifícios, na vegetação e na cerca dos roçados de circunvizinhança. Durante a chuva, as descargas não cessavam, mas não nos consta estrago feito por elas”.

23-03-1676
Nesta data, Antônio Vaz Gondim, capitão-mor e governador do Rio Grande do Norte, conceu a Teodósio Leite de Oliveira, Teodósia dos Prazeres e Manuel Gonçalves Diniz, uma data de terra com quinze léguas, começando da barra do rio Acauã. Esta é a mais antiga sesmaria concedida no Seridó.

23-03-1835
A Lei Provincial nº 11, desta data, determinou que os moradores das localidades situadas além do Rio Piranhas, seriam reconhecidos e considerados como paroquianos da Matriz de Nossa Senhora Santana, sediada na Vila do Príncipe, a cujo município pertenciam nos aspectos civil, militar e fiscal.

23-03-1858
Nasce em Brejo do Cruz, Província da Paraíba, Emídio Cardoso de Souza. Seus estudos eclesiásticos foram realizados no Seminário de Olinda, onde ordenou-se sacerdote aos 6 de dezembro de 1886. Retornando à Paraíba, ali iniciou sua vida sacerdotal. Vigário da Matriz de Nossa Senhora Santana, do Caicó, no período de 1895 a 1912, interinamente regeu as paróquias de Jardim do Seridó e de Serra Negra. Agraciado com o título de monsenhor, faleceu em João Pessoa-PB, no dia 17 de julho de 1947.

23-03-1936
Falece em Salvador-BA, o monsenhor Francisco Severiano de Figueiredo. Caicoense, educador, jornalista, pesquisador da história religiosa, deixou publicado os seguintes livros: Diocese da Paraíba, Anuário Eclesiástico da Paraíba.

Monsenhor Francisco Severiano de Figueiredo

24-03-1983
Falece em Carnaúba dos Dantas, onde residia como bispo emérito de Rui Barbosa-BA, dom José Adelino Dantas, 2º bispo a ocupar a Diocese de Caicó. Seu corpo foi sepultado na Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no sopé do Monte do Galo, naquela cidade seridoense.

Dom José Adelino Dantas
25-03-1909
Teve início as atividades do Grupo Escolar Senador Guerra, na cidade de Caicó. Funcionando na sede da Intendência Municipal (hoje Prefeitura), aquele estabelecimento de ensino teve como seu primeiro diretor, o professor Pedro Gurgel do Amaral (pai do ex-governado monsenhor Walfredo Gurgel), assistido pelas professoras Filomena Dantas e Alzira Monteiro.

Grupo Escolar Senador Guerra, em construção

26-03-1898
Nasce em Caicó, Inácio Valle Sobrinho.

27-03-1852
Por resolução desta data, foi suprimida a cadeira de Latim que existia na Vila do Príncipe.

28-03-1843
Era empossado como juiz municipal dos Termos do Príncipe (Caicó), e Acari, o Dr. Luiz Gonzaga de Brito Guerra, futuro Barão do Açu e ministro do Supremo Tribunal, no Império.
Luiz Gonzaga de Brito Guerra, Barão do Açu

28-03-1907
Falece em Jardim do Seridó o Dr. Manoel José Fernandes. Patriarca da Justiça do Seridó, foi titular dos juizados de direito das comarcas de Caicó, Jardim do Seridó e Acari.

Dr. Manoel José Fernandes

28-03-1787
Nesta data, “o Ouvidor Geral da Comarca da Paraíba, doutor desembargador Antônio Felipe Soares de Andrade Brederodes, dirigiu a Dom Tomás José de Melo, Capitão General e Governador de Pernambuco, a súplica, demonstrando a utilidade advinda da criação de três vilas, futuros centros de população trabalhadora nas tarefas pastoris e agrícolas”. Uma das povoações que mais tarde seria elevada à categoria de vila e município, seria a ‘Povoação do Seridó’, núcleo inicial da atual cidade de Caicó, antiga Vila Nova do Príncipe, com cuja denominação foi criado o nosso município.

29-03-1891
Em sua edição desta data, o jornal ‘O Povo’ noticiava que: “já começou a triste peregrinação dos infelizes sertanejos perseguidos da seca. Desde o dia 14 deste notamos diariamente retirantes nas portas esmolando. São pessoas que descem dos sertões mais de cima em busca dos brejos. Vão acossados pela seca e vão debaixo dela até os brejos, que dizem ainda estão secos. Infeliz sertão! Horroroso quadro!”

29-03-1912
O Dr. José Augusto Bezerra de Medeiros, assume o cargo de juiz de direito da comarca de Caicó. No exercício das referidas funções permaneceu até o dia 14 de abril de 1913, quando tornou-se Chefe de Polícia em Comissão nos Municípios do Interior do Estado.

29-03-1978
Após 20 anos de episcopado, dom Manuel Tavares de Araújo, renunciou a Diocese de Caicó, sendo substituído por dom Heitor de Araújo Sales.

Dom Manuel Tavares de Araújo
30-03-1932
Dinarte Mariz deixa a prefeitura de Caicó. Discordando do regime ditatorial vigente, solidarizou-se à Revolução Constitucionalista de São Paulo. Preso, Dinarte foi transferido de Natal para Recife, de onde seguiu para o Rio de Janeiro, onde foi posto em liberdade por determinação do presidente Vargas, a pedido o Dr. José Américo de Almeida, à época, Ministro da Viação.

30-03-1955
Ocorreu em Caicó a instalação do 1º Batalhão Ferroviário, que mais tarde passaria a denominar-se de 1º Batalhão de Engenharia de Construção (1º B E Cnst). Em agosto daquele mesmo ano, o referido batalhão iniciou o cumprimento das missões rodo-ferroviárias no Nordeste, construindo a Ponte do Rio Seridó.
30-03-1994
O médico caicoense Vivaldo Silvino da Costa, assume o governo do Estado do Rio Grande do Norte, após a renúncia do governador José Agripino Maia, que pretendia disputar uma cadeira no Senado. Seu governo foi comprometido com Seridó e, principalmente, com Caicó.

Vivaldo Silvino da Costa
31-03-1884
Por iniciativa do senhor Olegário Gonçalves de Medeiros Vale (1858-1891), Delegado Escolar, foi criado o Club 20 de Janeiro’, a primeira biblioteca da cidade, a qual inicialmente teve com um acervo de duzentos volumes e era mantida pela Sociedade Literária Santa Cecília.

31-03-1954
Circula na cidade de Caicó o primeiro número do jornal ‘A Voz da Mocidade’.

31-03-1961
O caicoense Walfredo Dantas Gurgel, na condição de vice-governador, passa a presidir a Assembléia Legislativa do Rio Grande do Norte.

10 comentários:

  1. Bom dia. De acordo com o livro "EU CONHECI SESIOM", o poeta Moisés Sesiom teria nascido na cidade de Assu e não em Caicó. Tal poeta chegou a pertencer aos quadros da Polícia Militar do RN, na graduação de soldado.
    Abraços, Angelo Dantas, pesquisador da PM-RN.

    ResponderExcluir
  2. Caro Ângelo Dantas,
    Inicialmente, obrigado pela visita. No livro 'Eu conheci Sesyom', do pesquisador Francisco Amorim, o grande mestre Câmara Cascudo faz a apresentação, sob o título ‘Um Retrato de Moysés Sesyom’ e diz: “Posso afirmar que, agora, também conheço o mais famoso, indispensável, inédito e citado dos poetas populares do Rio Grande do Norte, seridoense do Caicó, assuense de adoção, falecido, aos 49 anos em março de 1932”.
    E, numa de suas Actas Diurnas, datada de 11-04-1942, também transcrita no mencionado livro, Cascudo diz: “Moisés Lopes, Sesióm é Moisés às avessas, nasceu no Caicó em 1884” (pág. 10).
    No mesmo livro, pelo colega citado, o próprio autor, na pág. 13, diz: “Quando Moysés Lopes Sesyom, vindo de Timbaúba dos Mocós, aportou às terras assuenses, cheio de vitalidade e afoiteza inerentes aos filhos das plagas seridoenses (pois nascera na progressiva vila do Príncipe, hoje formosa Caicó, vinha talvez sem o saber [...]”.
    Um pouco mais à frente, o velho Chico Amorim faz uma correção quanto ao sítio do nascimento do poeta, e baseado na sua certidão de casamento, afirma que o mesmo nasceu no Sítio Baixa Verde (veja pág. 65). Chico Amorim também transcreve umas notas fornecidas por José Benévolo Xavier (págs. 62-64), onde se lê: “Moysés Lopes Sesyom [...] nasceu no dia 28 de julho de 1883, no sítio Baixa-Verde, no então distrito do município de Caicó, deste Estado, sendo seus pais Joaquim Lopes de Maria e Maria Angélica da Conceição [...]”.
    É oportuno ainda destacar, caro amigo Dantas, que o próprio Chico Amorim, em seu livro 'Eu conheci Sesyom', transcreve as certidões de casamento e de nascimento de Sesyom, onde é possível lê:
    I - Certidão de casamento religioso. Aos seis dias do mês de dezembro de mil novecentos e treze, na matriz [...] assistir ao recebimento matrimonial de Moyses Lopes Seysom com Maria Cândida da Costa [...]. O nubente é natural da freguesia de Caicó [...] (pág. 65-66).
    II - Certidão de casamento civil. Aos seis dias do mês de dezembro de mil novecentos e treze, nesta cidade de Assu [...], receberam em matrimonio civil o cidadão Moyzes Lopes Sesyom, empregado do comércio, de trinta anos de idade [...] com dona Maria Cândida da Costa [....]. Os contrahentes são naturaes elle do districto da cidade de Caicó [...] (pág. 66).
    III - Certidão de Batismo. Livro nº 13, de 1879 a 1884, fls. 117. “Moizés, filho legítimo de Joaquim Lopes de Maria e Maria Angelica da Conceição, nasceu a vinte e oito de julho de mil oitocentos e oitenta e três [...]. Parochi Caicó, 21 de fevereiro de 1961. Padre Onio Caldas de Amorim, vigário. (pág. 74-75).
    Pelo transcrito acima, meu caro amigo Dantas, não tenho dúvidas que o grande poeta Moysés Sesyom nasceu realmente em território caicoense, conforme, por várias vezes, mostra o próprio Francisco Amorim em seu livro 'Eu conheci Sesyom'.
    Fica um forte abraço e a certeza de que a amizade se constrói a através do diálogo. E a cultura, por sua vez, se faz com a troca de ideias e de conhecimentos. Saiba que reconheço que sempre é oportuno qualquer intervenção construtiva.
    Ozildo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou neta de Maria Seziom, sobrinha do Poeta em questão. Cresci ouvindo minha avó falar com muitas saudades dos tempos vividos por todos no sítio baixa verde, em caicó. O poeta adotou Assú, mas nasceu filho parido de Caicó.

      Excluir
  3. Caro professor Ozildo: Recebi(emos)uma verdadeira aula de história. Parabens pelo blog! Estou mais do que convencido de que Sesyom é Caicoense! Na verdade eu li o livro de Amorim e, inclusive, está fazendo parte das referências do meu "Cronologia da Polícia Militar", publicado em dez 2010. Mas confesso que transcrevi apenas a data de falecimento do poeta, que morreu em Assu. E este "calendário" que o ilustre professor publica no blog é de uma importância impar. No meu livro consta algumas outras informações sobre o saudoso capitão Olegário Gonçalves de Medeiros Vale - um dos nossos ex-comandantes. Também consta diversas notícias sobre Caicó e região.
    Despeço-me informando que passarei a visitar o seu blog constantemente. É uma verdadeira mina de informações importantes. Parabens mais uma vez pelo conteúdo do comentário. É a pura verdade!
    Att.
    Angelo Mario de Azevedo Dantas
    OBS: Embora tenha nascido em São Paulo do Potengi/RN carrego sangue seridoense nas veias. Meus avós paternos são de Acari. Minha avó materna era irmã de D. José Adelino Dantas.

    ResponderExcluir
  4. Caro Dantas,

    Mais uma vez obrigado. Reforço o que disse anteriormente e acrescento que meu pai também pertenceu ao quadros da Polícia Militar do RN. Ele serviu em Patú, no final da década de 1950. Em Currais Novos, Jardim de Pirinhas, São João do Sabugi e Caicó, no período de 1958 a 1971, e, em Parelhas, de 1971 a 1980, quando foi reformado como um simples soldado, após vinte e tantos anos de serviços prestados à corporação. Mesmo sendo um homem sem instrução, soube educar seus dois filhos, que num reconhecimento ao esforço paterno e à educação recebida, são hoje educadores.

    ResponderExcluir
  5. Boa noite...meu nome é Maria Liberaci,nasci no municipio de Ipueira RN.Hoje moro em São José dos Campos SP. Gostaria de saber se a fazenda Soledade que pertenceu à diocese de Caicó, na década de 70, ainda existe. Morei algum tempo nesta fazenda,e tenho um deseja imenso de poder visita-la
    Desde ja agradeço se obtiver uma resposta

    Cordialmente: Liberaci

    ResponderExcluir
  6. Cara Maria Liberaci,
    Inicialmente obrigada pela visita ao blog. Aguarde, que em breve lhe mandarei informações sobre o solicitado.

    ResponderExcluir
  7. Onde está Padre Francisco das chagas Neves Gurgel?Martir do Ato Institucional nº5.

    ResponderExcluir
  8. Inteligência privilegiada, Francisco Gurgel deixou o sacerdócio e passou a dedicar-se ao magistério e ao jornalismo, tendo fixado residência no Rio de Janeiro, onde, possivelmente, viveu seus últimos dias de vida.
    Obrigado pela visita e volte sempre!

    ResponderExcluir
  9. Obrigado José Ozildo, sou o Rogério Vicente de Souza Gurgel, filho de Francisco das Chagas Neves Gurgel, morador do Rio de Janeiro, agradeço pelos elogios feitos ao meu finado e amado Pai, grande exemplo de cristão, de homem e professor, querendo mantenham contato rvsgurgel@yahoo.com.br, estou recolhendo dados e evidências sobre a questão do AI 5. Abraços. Rogério Gurgel

    ResponderExcluir

GOSTOU? COMPARTILHE!

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More