Hoje é

terça-feira, 4 de outubro de 2011

ALLYRIO MEIRA WANDERLEY

UM PERFIL DE CORPO INTEIRO


José Ozildo dos Santos


F
igura da maior projeção da literatura paraibana, Allyrio Wanderley nasceu aos 22 de outubro de 1906, na fazenda Campo Comprido, termo e comarca do município de Patos, no sertão paraibano. Foram seus pais Francisco Olídio Mon­teiro Wanderley e Inácia Maria Meira Wanderley. Pelo lado paterno, descendia do major Francisco Pereira Monteiro Wanderley, de quem era neto.

ALLYRIO WANDERLEY

Era, portanto, neto materno do capitão Roldão Meira de Vasconcelos, figura de exponencial valor na sociedade patoense, no início do período republicano. Seu pai, próspero fazendeiro, in­troduziu nos sertões da Paraíba o primeiro automóvel - um Ford de bigode - que chegou a Patos na tarde do dia 17 de junho de 1918, após vencer inúmeros obstáculos, por dezenas de léguas em serrarias e estradas carroçáveis.
Em 1912, aos cinco anos de idade, vencida a ‘Carta de ABC’, Allyrio Wanderley foi matriculado no ‘Colégio Leão XIII’, fundado e dirigido na cidade de Patos, pelo talentoso padre José Viana, que anos mais tarde seria vigário da Matriz de Nossa Senhora da Guia. Naquele estabelecimento de ensino, o futuro homem de letras, fez seus primeiros estudos. E, em fevereiro de 1919, transferiu-se para a capital paraibana, onde matriculou-se como interno do ‘Colégio Diocesano Pio X’.
Por esse tempo, começou a se desenhar em Allyrio a personalidade de literato. Lembrando esta fase de sua vida, ele próprio assim descreve sua viagem para João Pessoa e sua curta permanência naquele educandário: “era ma­drugadinha, quando parti a cavalo, com o portador e uma família. A viagem longa para Campina não me aborreceu, em todos os seus 3 dias e meio. Descansávamos à sombra dos umbuzeiros, dormíamos em ranchos, alpendres ou latadas e madrugávamos. No Colégio Pio X ganhei primeiros bancos de honra em quase todas as matérias, durante os 5 meses que lá passei discuti com professo­res, briguei com prefeitos, lutei com colegas e joguei futebol (...)”.
Em agosto daquele mesmo ano, mal tinha vencido a primeira etapa do ano letivo, adoeceu de uma infecção intestinal e teve que retornar ao lar paterno, onde esteve preso ao leito, por quatro meses. Com a saúde restabelecida, na ânsia de retomar seus estudos, foi enviado para o Recife.
Allyrio Wanderley era aluno do ‘Ginásio Pernambucano’, quando começou escreveu seu primeiro romance - ‘Vae Victis!’ e uma lenda paraibana - ‘Po­tyra’, “conseguindo escrever 12 capítulos do primeiro em 120 folhas almaço e avançar bem o segundo”. Mas, “esses papéis queridos”, foram queimados a mando do padre Felix, seu diretor, por ver no gosto do jovem patoense pela literatura, uma fuga para a indisciplina.
Ainda na capital pernambucana, o futuro de homem de letras concluiu o secundário no ‘Colégio Salesiano’. E, em junho de 1924, “assoberbado já pela esperança de seu talento, de um dia ser alguém”, deixou “o Recife com destino à capital pau­lista tendo em mente prosseguir com os estu­dos e trabalhar”.
Entretanto, em São Paulo, não encontrou o esperado. Os empregos que conseguiu, foram temporários. E, desempregado, as dificuldades foram aumentando. A lembrança dessa fase difícil de sua vida seria transportada para um de seus romances - ‘Bolsos Vazios’ - que, sem dúvidas, são suas próprias memórias.
Crêem alguns de seus biógrafos, que foi por esse tempo, que Allyrio - movido pelo espírito de aventura ou sede de conhecimento - realizou uma viagem à Europa, onde permaneceu por quatro anos, tendo visitado vários países, entre eles: França, Rússia, Espanha, Alemanha, Bélgica e Portugal.
Diz Eduardo Martins - seu principal biógrafo - que Allyrio Wanderley doutorou-se em Filosofia, pela Universidade de Heidelberg, na Alemanha. Mas, esta é outra informação questionada por outros autores e vista como imaginária, tanto quanto a referida viagem à Europa.
Entretanto, a ausência de um diploma superior em nada diminui a figura do príncipe das letras patoenses. O que é certo, é que ele expressava-se “com facilidade e propriedade em quase todas as línguas vivas da Europa”. E, sua atividade intelectual “se estendeu por vários setores da literatura, a começar do romance, passando pelo teatro, e pelo jornalismo, indo até a crítica literária, da qual foi, sem dúvida, um grande expoente a nível nacional”.
No início da década de 1930, Allyrio passou a trabalhar como tradutor para jornais e editoras, de São Paulo. Por esse tempo, Georges Selzoof iniciava a publicação de sua famosa ‘Biblioteca de Autores Russos’ e, conhecendo o talento do jovem das Espinharas, convidou-o para integrar sua equipe. Foi nesse período que Allyrio traduziu para o português, vários autores russos consagrados, a exemplo de Leon Tolstoi (‘Khadji-Murat’ e ‘Padre Sérgio’), Dostoievski (‘O Jogador’) e Leonid Andreief (‘Judas Iscariotes’ e ‘Os Sete Enforcados’).

TRADUÇÃO DE ALLYRIO WANDERLEY, 1931

TRADUÇÃO DE ALLYRIO WANDERLEY, 1931

TRADUÇÃO DE ALLYRIO WANDERLEY, 1931

Jornalista da melhor escol, em 1931, passou a escrever para as páginas do jornal ‘A Razão’, publicado na capital paulista. Seguidamente, ali, atuou no ‘Correio de São Paulo’, ‘Correio Paulistano’, ‘O Dia’ (1933), ‘A Platéia’ e ‘A Gazeta’.
Allyrio Wanderley era, pois, um jornalista de sucesso, quando estreou no mundo das letras com o romance ‘Sol Criminoso’, publicado em 1931. O referido livro é “marcado pelo trato de problemas sociais, defendendo subliminarmente, direitos humanos e, portanto, universais”.

SOL CRIMINOSO, 1931

Bastante aceito pela crítica, ‘Sol Criminoso’ foi laureado pela Academia Brasileira de Letras (1932) e marcou uma época na literatura nacional, “pelo seu estilo e poder narrativo”, consolidando-se como a “afirmação de um valor na nova mentalidade brasileira”.
Conferencista de talento, dono da palavra limpa, ao longo de sua produtiva existência Allyrio proferiu várias palestras, abordando sempre temas polêmicos. Em maio de 1932, esteve na cidade pernambucana de Petrolina, onde realizou a conferência “Aspectos sociais, mesológicos e étnicos de nossa terra”.
No mesmo mês, na vizinha Juazeiro (BA), noutra conferência, abordou o tema “O Nordeste para os nordestinos”, revelando-se um autêntico conhecedor das potencialidades de nossa região, historicamente castigada pelas secas e esquecida pelos governantes.
Espírito culto, possuidor de um estilo imitável, escrevia sem parar e não “conseguiu deixa algo de mais concreto”, porque viveu “amarrado a um indesejável marxismo”. De 1932 a 1933, produziu: ‘Cães sem Donos’ (romance), ‘Serões de uma Traça’ (volume de crítica) e inexplicavelmente deixou inacabado o romance ‘Caminhos da Bronzeada’. Em 1934, publicou ‘Os Brutos’, romance que tem por cenário a mesma natu­reza dos sertões nordestinos, focalizando, porém, episódios do cangaço com o seu cortejo de feracidade e impressionante realismo”.

OS BRUTOS, 1934

Desse último ano é também o seu segundo volume de crítica, intitulado ‘A Seara do Próximo’, que, a exemplo do primeiro, também ficou inédito. Por esse tempo, Allyrio passou a escrever para as páginas d‘A Gazeta’, editada em São Paulo. Em janeiro do ano seguinte - que foi bastante tumultuado em sua vida - proferiu na cidade de Santos a conferência ‘O Nordeste para os nordestinos’, recebendo elogiosa citação na imprensa paulista.
Membro da Associação Paulista de Imprensa, em meados de 1935, publicou o polêmico livro ‘As bases do separatismo’, cujos exemplares numerados e rubricados pelo autor, foram apreendidos pela polícia, na capital paulista. Em seu polêmico livro, Allyrio pregava a “a divisão do Brasil em cinco regiões distintas que, desmembradas, formariam cinco países independentes”.

AS BASES DO SEPARATISMO, 1935

Perseguido pelo Governo de Vargas, retornou ao seio familiar, onde refugiou-se na Fazenda Campo Comprido - de seu pai - enquanto aguardava uma decisão judicial, por parte do Tribunal de Segurança Nacional. Absolvido por unanimidade, por algum tempo, Allyrio Wanderley continuou na cidade de Patos, isolado do ‘mundo’, mas apegado a sua pena.
Nesse período, lamentavelmente, antes de ver seu primogênito crescer, perdeu a esposa, falecida prematuramente na capital das Espinharas. Em Patos, o ‘Louro do Jabre’ costumava freqüentar a livraria de Antônio Pereira de Moraes - onde adquiria as novidades do mundo literário - e o ‘Grêmio’, que era “um clube da elite, muito freqüentado por uma facção política da cidade”.
Apesar de ser conhecido como uma personalidade polêmica e combativa, sua participação na vida política patoense resume-se ao fato de ter comandado uma caravana de Patos até João Pessoa, em 1940, para solicitar do interventor Ruy Carneiro a nomeação do professor Pedro Torres para ocupar a Prefeitura local, pleito no qual foi prontamente atendido.
Neste mesmo ano, Allyrio publicou seu quarto livro - ‘Bolsos Vazios’ -, inaugurando “uma nova fase do romance no Bra­sil”, deixando de lado a “aridez dos documentos” e realizando “um romance naturalista”, que focaliza “em páginas ardentes”, sua vida “com todas as suas incertezas, as suas incompatibilidades ambientais, e os seus conflitos culturais”.

BOLSOS VAZIOS,  1940

Por esse tempo, passou a colaborar nas páginas d‘A União’, jornal estatal paraibano. Em João Pessoa, no início de 1945, dirigiu ‘O Estado da Paraíba’, matutino independente e noticioso. Ainda em finais daquele ano, convidado, tornou-se crítico literário do jornal ‘A Manhã’, editado no Rio de Janeiro, para onde transferiu-se. Mas, sentindo que o ambiente lhe era incompatível, por não poder exercer sua independência intelectual, ali permaneceu por pouco tempo.
Em julho do ano seguinte ingressou nos ‘Diários Associados’. E, com total liberdade de expressão passou a escrever para ‘O Jornal’, onde manteve por quase três anos uma coluna sob o título ‘A Ronda dos Livros’. No entanto, sentindo que o Allyrio, “era nome muito doce”, “passou a assinar os seus artigos com o pseudônimo de Monte Brito”.
No Rio de Janeiro, Allyrio Wanderley publicou seu quinto livro - ‘Ranger de dentes’ - romance que traz o subtítulo ‘Crônicas de um ocaso’ (1945). Nele, o autor retrata com nitidez o sentimento humano, fazendo com que “seus personagens nos convençam”, que “são homens com quem vivemos”. Com este livro, iniciou “uma série de romances autônomos, com um cenário comum, desenrolando-se todos na mesma época e todos com a mesma orientação filosófica”. Assim, produziu ‘As Formigas’ e ‘Espinho Branco’, que ficaram inéditos. O primeiro, traz como subtítulo ‘Crônicas de um Ocaso II’.

RANGER DE DENTES, 1945

Nos início dos anos 50, Allyrio retornou à Paraíba, fixando-se em João Pessoa, onde, logo cedo, passou a militar na imprensa local, atuando como colunista nas páginas d‘O Norte’. Seguidamente, colaborou no ‘Correio da Paraíba’ (1953) e no ‘Paraíba Agrícola’ (1954), bem como no ‘Diário de Notícias’ (1953) e da ‘Gazeta de Alagoas’ (1953), estes últimos, editados no Rio de Janeiro e em Maceió, respectivamente.
Seu último livro - ‘Os Carneiros Cinzentos’ - foi publicado em 1956, através da Editora Teone, de João Pessoa. Nele, o autor mostra-se mais amadurecido, mas continua admirável, mantendo o “manejo plástico da língua”, numa forma que somente é sua.

OS CARNEIROS CINZENTOS, 1956

Nesse mesmo ano, nas eleições estaduais realizadas no dia 3 de outubro de 1954, disputou sem êxito uma cadeira na Assembléia Legislativa, pelo Partido Social Democrático, oportunidade em que obteve uma insignificante votação. Por esse tempo, acentuaram-se os sintomas do mal que o levaria para o túmulo.
Ainda em 1953, quando das comemorações do 50º aniversário da elevação de Patos à categoria de cidade, Allyrio compareceu à sua terra natal, oportunidade em que, durante a inauguração do marco comemorativo, localizado na atual Praça Edvaldo Motta, diante do governador João Fernandes Lima e de grande número de populares, fez um estudo histórico, abordando a evolução social da ‘Capital da Espinharas’.

ALLYRIO WANDERLEY

Lamentavelmente, Allyrio não viveu o suficiente para ver o reconhecimento de sua obra literária. O homem forte e combativo que era, foi aos poucos vencido pelas surpresas da vida e vitimado por uma embolia cerebral, faleceu às 11h30min do dia 15 de janeiro de 1955, em sua residência, no bairro Santa Júlia, na capital paraibana. Em seus últimos momentos, foi assistido pelo Dr. João Gonçalves Medeiros, de quem era amigo próximo.
Seu corpo, em câmara ardente, foi exposto por todo o dia no salão nobre da ‘Associação Paraibana de Imprensa’. Ao referido velório, acorreram várias figuras do mundo literário paraibano.
Transladados para a cidade de Patos, os restos mortais de Allyrio Meira Wanderley foram sepultados no Cemitério São Miguel, no Bairro do Belo Horizonte. A beira de seu túmulo, falaram, entre outros, o advogado José Antônio Urquiza e o acadêmico Ronald de Queiroz. Na Câmara Federal, seu falecimento foi lembrado pelo deputado Ernani Sátyro. Em Patos, o prefeito Darcílio Wanderley assinou o Decreto nº 1, estabelecendo luto oficial de três dias, em todo o município.
O regionalismo é, pois, algo que marca a produção literária do ‘Louro do Jabre’. Mas, sua obra é diferente. Nela, existe uma transfiguração telúrica, “distante, porém, daquelas imagens da paisagem e da terra, daquelas sentimentais considerações sobre a dificuldade e a miséria da existência sertaneja”.
Em sua obra, Allyrio tenta explicar as “derivações do caráter da vida coletiva e individual, do atraso de uma civilização que está crescendo”, tomando por base os fatos físicos e as condições econômicas. E, “apesar de ter surgido como escritor na década de 30, portanto na segunda fase do Modernismo, Allyrio Wanderley não dispensa, em sua obra de ficção, muitos elementos da narrativa do século passado (XIX), precisamente da prosa naturalista”.
Primando por narrativas que possuem como pano de fundo um cenário de miséria e injustiça social, a obra literária de Allyrio Wanderley “segue os padrões tradicionais do realismo, buscando a linearidade da ação, a descrição em detalhe e os cortes de natureza analítica e filosófica, em que tanto se esmera o escritor paraibano”.
Possuidor de uma linguagem cheia de símbolos e imagens, colecionou inúmeros desafetos em sua vida jornalística e literária. Como homem de letras, ele foi um “gênio enigmático e profundo, impregnado de arte e de filosofia, de Dante como de Marx, que mal se adaptava aos modestos ares da cultura da Paraíba”. Era, pois, “cheio de conhecimentos e livros, de força original, defeitos e talentos grandes”. E, em síntese, foi “uma figura algo suspeita, temida e admirada”.
Romancista, poeta, teatrólogo, ensaísta, crítico literário, sociólogo, jornalista e conferencista, “toda sua obra está marcada por uma cons­tante luta em favor dos direitos do homem, o que lhe dá um caráter de universalidade”. No entanto, “a figura de Allyrio e a sua obra ressentem-se, sem dúvida, da falta de um estudo aprofundado sobre sua importância e significação no contexto da literatura brasileira, em geral, e paraibana, em particular”.
Homem inteligente e de imaginação fértil, Allyrio Meira Wanderley teve a coragem e a ousadia de externar seu pensamento, abalando as gerações de sua época e “não sabemos por que o seu nome, que outrora era manchete, pelo brilho de sua pena, e pela exposição autêntica de suas obras, ficou re­legado ao esquecimento”.
Em Patos, cidade que lhe serviu por berço, o nome do maior romancista, jornalista e crítico literário nascido nas Espinharas é quase desconhecido/esquecido, na atualidade. Aqui, lamentavelmente, apenas uma biblioteca municipal e um pequeno grupo escolar, levam seu nome, muito pouco, para quem, segundo alguns, é “a maior inteligência nascida na cidade de Patos”.
Patrono da cadeira nº 37, da Academia Paraibana de Letras, Allyrio Meira Wanderley é uma figura ímpar na literatura paraibana, que precisa melhor ser estudo para ser compreendido e valorizado. Possuidor de um estilo próprio e imitável, ele “fez de sua obra veículo de denúncia social e instrumento crítico do conservadorismo ideológico”.
__________
Artigo publicado no jornal 'A Voz do Povo', Patos-PB, edição de setembro de 2004.

4 comentários:

  1. é lamentável que uma figura como a dele seja ignorada.

    ResponderExcluir
  2. Ignorada é pouco, Mago Romário, faz dois anos destruíram completamente até o casarão da família dele. D=

    ResponderExcluir
  3. ai meu Deus,era o meu avô!!Mas q coisa mais absurda!!!como é q podem fazer uma coisa dessas??

    ResponderExcluir
  4. Olá a todos! Sou professora de Língua Portuguesa e estou escrevendo um projeto de doutorado em Literatura no qual eu pretendia explorar "Os Brutos" de Allyrio Wanderley. Contudo, não consigo o livro, nem mesmo pesquisando na biblioteca de Patos. Gostaria de saber se alguém pode conseguir para mim este livro, pois os poucos trechos que consegui ler me parecem de um belíssimo talento literário que realmente deveria ser mais conhecido.

    Grata

    Maria Braga (marbrag@gmail.com)

    ResponderExcluir

GOSTOU? COMPARTILHE!

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More